terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Mudanças

Escorada naquele balcão, com aquelas luzes, álcool correndo rápido nas veias e aquele cara ali bem na sua frente, te dizendo coisas estimulantes e sedutoras, ela lembrou de um tempo em que esse era o habitual, essa era uma boa noite. Ela costumava sair sozinha, ou  com poucas amigas, afinal de contas, sempre desconfiou de amizades femininas, e gostava de provar pra si mesma que ela ainda era uma mulher interessante, que era questão de opção e não de obrigação, estar solteira. Era esse status que demonstrava o quanto ela era independente, moderna e segura. E ficava com quantos ela quisesse, as vezes passava da contas, outras tantas somente apreciava esse poder de sedução que as mulheres costumam carregar, que exala nos olhos, no corpo. E isso era bom.

Mas naquela noite, a única coisa que ela conseguia fazer, era pensar naquele cara que a aguardava na mesa, aquele cara que fez com que ela desejasse largar esse passado. Que a fez entender que aquele tempo já não fazia sentido mais, que agora estava na hora dela pensar em sonhos, em planos, em futuro. E todas essas coisas tentadoras, não pareceram tentadoras mais, ficou muito fácil virar as costas e voltar praquela mesa. O caminho agora ficou livre e tranquilo, não pesava mais abrir mão do que ela achava que era liberdade.

A vida tomou outra importância, ela agora não pensa mais só em si. Finalmente deixou de lado o velho egoísmo. Agora ela fala no plural, ela pensa no plural. Os seus passos já não são mais solitários. Ela aprendeu que mais vale acordar, abrir os olhos e dar de cara com os dele te admirando, te amando, que passar os dias  encarando olhos fáceis e frios, que mais vale fazer qualquer coisa, desde dormir num banco de rua esperando amanhecer, até assistir alguma novela na tv, do que fazer os passeios mais caros mas sem que a pessoa que a gente ama estivesse com a gente, ela enfim entendeu que o amor é um cão dos diabos, porque pode dilacerar o peito, pode matar quem o sente, mas é um preço que vale a pena pagar pois nada se compara à beleza que as coisas belas passam a ter depois que as olhamos com olhos apaixonados. Desde que o amor chegou, e veio acompanhado dele, os dias já não são mais os mesmos. 

6 comentários:

  1. "Pensar no plural" traz um conforto tranquilo, que a tal liberdade esquece de mostrar. E, quanto mais se pensa em conjunto, numa só direção, maior é a liberdade a dois.
    Beijo e boa sorte! :)

    ResponderExcluir
  2. Nada melhor que o amor para curar chagas que nós mesmos abrimos...

    ResponderExcluir
  3. Passando adiante, pessoa: http://esquizofreneticoblues.blogspot.com/2011/01/tem-selo-la.html
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. estou esperando o texto dedicado à sua linda irmãzinha : ))
    Beijinho

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que lindo!

    Eu acho que tudo acontece à sua hora. Ja houve o tempo de ficar por ai se perdendo em prazeres superficiais. Agora é hora de amar e ver a vida tomar outra importancia.

    É como aquela musica "Iluminado" do Vander Lee. Exatamente aquilo.

    Ai, e como é bom, meus deus....

    Espero que isso dure bantante pra voce!:-)

    ResponderExcluir
  6. Teu blog é lindo! Parabéns!

    Vem conhecer o meu: leiakarine.blogspot.com

    ResponderExcluir